Anquilose e reabsorção por substituição no esmalte em dentes não irrompidos

Por Administrador

Edição V19N06 | Ano 2020 | Editorial Controvérsias na Ortodontia | Páginas 126 até 132

ALBERTO CONSOLARO, OMAR HADAYA, RENATA BIANCO CONSOLARO, DARIO A. OLIVEIRA MIRANDA

INTRODUÇÃO: A reabsorção por substituição é mais lenta e tardia quando envolve o esmalte. OBJETIVO: O objetivo desse trabalho é ressaltar que o esmalte pode ser envolvido e fazer parte da anquilose alveolodentária e da reabsorção dentária por substituição, embora isso seja incomum no dia a dia clínico. Com base nos princípios da biopatologia óssea, não há necessidade biológica de se remover o dente envolvido, já que ele pode ser considerado uma estrutura óssea normal, podendo-se inclusive colocar na região um implante osseointegrável. CONCLUSÃO: Conclui-se que, na região onde se pode deixar um dente com anquilose alveolodentária e reabsorção por substituição, com ou sem esmalte envolvido, é fundamental que não haja possibilidade de contaminação microbiana dessa área, do mesmo modo que deve-se ter esse critério maior para planejar a colocação de implantes.

Reabsorção dentária por substituição, Anquilose alveolodentária, Implantes osseointegráveis.

Consolaro A, Hadaya O, Consolaro RB, Miranda DAO. Ankylosis and replacement resorption of enamel in unerupted teeth. Clin Orthod. 2020 Dez-2021 Jan;19(6):126-32.