O tratamento da agenesia dentária e sua correlação com a impacção de caninos e a má oclusão de Classe III

Por Administrador

Edição V18N06 | Ano 2019 | Editorial Caso Clínico | Páginas 89 até 100

José Augusto Mendes Miguel, Isabella Simões Holz, Diego Junior Da Silva Santos

INTRODUÇÃO: Pacientes com agenesias de dentes permanentes apresentam uma prevalência significativamente aumentada de erupção ectópica de caninos por palatino (EECP), a qual pode estar associada à má oclusão de Classe III. OBJETIVO: O presente artigo objetiva apresentar, por meio de um caso clínico, o tratamento de paciente do sexo feminino, em período de crescimento ativo, que apresentava ausência congênita dos incisivos laterais inferiores e impacção do canino superior esquerdo, associadas a uma relação oclusal de Classe III. RELATO DO CASO: o tratamento incluiu expansão rápida da maxila seguida de instalação de aparelho fixo para recuperação de espaço na região do dente #23 e posterior tracionamento do canino incluso. RESULTADOS: Ao fim dos 43 meses de tratamento, o dente #23 foi tracionado com sucesso. Ademais, os dentes #32 e #42 foram substituídos pelos dentes #33 e #43 e a relação oclusal de Classe III de molares foi mantida, decorrente da mesialização de todo o segmento posterior. CONCLUSÃO: Sempre que possível, as anomalias dentárias devem ser diagnosticadas precocemente, pois funcionam como indicadores de risco para distúrbios de erupção dentária. Além disso, um plano de tratamento consistente associado a medidas preventivas pontuais para a simplificação do tratamento ortodôntico devem ser adotado.

Má oclusão, Classe III de Angle, Anodontia, Crescimento,

Miguel JAM, Holz IS, Santos DJS. O tratamento da agenesia dentária e sua correlação com a impacção de caninos e a má oclusão de Classe III. Rev Clín Ortod Dental Press. 2019 Dez-2020 Jan;18(6):89-100.