Classes de movimentos durante o estagiamento de alinhadores

Por Administrador

Edição V18N05 | Ano 2019 | Editorial Biomecânica | Páginas 38 até 44

Renato Parsekian Martins e Roberto Soares da Silva Jr.

O uso de alinhadores é uma realidade, e é imprescindível que o ortodontista saiba como funciona o seu processo de fabricação. Além do setup em si, é importante entender o processo de “staging”, ou estagiamento do tratamento, que é a determinação da sequência de movimentos a serem realizados. Podemos classificar os movimentos dentários de giro ao redor do centro de resistência como sinergistas, “stand-alone” ou antagonistas. Cada classe de movimentos possui dificuldades distintas e requer, muitas vezes, abordagens diferentes para se obter a correção desejada. Movimentos sinergistas são de boa previsibilidade, enquanto movimentos stand-alone necessitam de attachments para que possam ocorrer completamente. Já os movimentos antagonistas não só precisam de attachments como devem ser estagiados, isto é, o giro deve ser realizado separadamente do movimento que o caracteriza como antagonista. Adicionalmente, nos casos de movimentos stand-alone e antagonistas, por vezes é necessário o uso de mecânicas auxiliares. O presente artigo se propõe a descrever cada uma dessas classes de movimentos e explicar, com exemplos, como o plano de tratamento com alinhadores deve ser realizado para priorizar a sua previsibilidade.

Ortodontia, Alinhadores estéticos, Movimentação dentária, Aparelhos ortodônticos removíveis,

Martins RP, Silva Jr. RS. Classes de movimentos durante o estagiamento de alinhadores. Rev Clín Ortod Dental Press. 2019 Out-Nov;18(5):38-44.