Tratamento ortodôntico-cirúrgico da Síndrome de Crouzon em paciente adulto: relato de caso clínico

Por Administrador

Edição V17N02 | Ano 2018 | Editorial Caso Clínico | Páginas 43 até 54

Augusto Pary, Julio Pedra e Cal Neto

A Síndrome de Crouzon é considerada a craniofaciossinostose hereditária mais comum. A condição é caracterizada pelo fechamento precoce das suturas cranianas, resultando em anomalias que afetam o crânio e o terço médio de face. O tratamento, normalmente, necessita de diversas intervenções cirúrgicas, que se iniciam no primeiro ano de vida e terminam aos 17-18 anos de idade, momento do término do crescimento facial. No entanto, a expressão da condição é extremamente variável e, portanto, diversos indivíduos não apresentam manifestação severa o suficiente para necessitar tratamento durante a infância. Em alguns casos, o diagnóstico nem mesmo é feito, e o paciente não recebe tratamento algum. Independentemente da severidade, a intervenção cirúrgica atualmente considerada como padrão para correção da hipoplasia de terço médio de face é a osteotomia Le Fort III. Porém, o padrão de osteotomia deve sofrer adaptações dependendo da manifestação clínica do paciente. Nesse artigo, será relatado o tratamento ortodôntico-cirúrgico de uma paciente adulta portadora de Síndrome de Crouzon que nunca havia sido submetida a tratamento prévio. A osteotomia Le Fort III tradicional foi modificada para não incluir a região nasal e foi associada à osteotomia Le Fort I, para correção da hipoplasia de terço médio de face. Osteotomias mandibulares também foram necessárias para correção total da deformidade. As decisões relacionadas ao planejamento cirúrgico-ortodôntico serão discutidas, e a técnica cirúrgica da osteotomia Le Fort III modificada será descrita.

Pary A, Pedra e Cal Neto J. Tratamento ortodôntico-cirúrgico da Síndrome de Crouzon em paciente adulto: relato de caso clínico. Rev Clín Ortod Dental Press. 2018 Abr-Maio;17(2):43-54. DOI: https://doi.org/10.14436/1676-6849.17.2.043-054.art