Biomecânica de distalização dentoalveolar com mini-implantes extra-alveolares em paciente Classe I com biprotrusão

Por Administrador

Edição V16N06 | Ano 2017 | Editorial Caso Clínico | Páginas 61 até 76

Marcio Rodrigues Almeida

Introdução: os pacientes com biprotrusão apresentam projeção dentária de corpo em suas bases, além de poderem ter inclinação axial exagerada, lábios protrusos sem selamento e um perfil facial convexo. Os mini-implantes (MIs) vêm sendo utilizados para reforço de ancoragem inseridos na região dentoalveolar, especialmente entre as raízes dentárias, quando do tratamento com extrações de pré-molares em pacientes portadores de Classe I de Angle biprotrusos. No entanto, a inserção dos mini-implantes em áreas extrarradiculares permite maior versatilidade de movimentos ortodônticos, uma vez que as raízes não interferem no deslocamento dentário. Objetivo: com o presente trabalho, objetivou-se apresentar um caso clínico de uma paciente portadora de má oclusão de Classe I de Angle com biprotrusão, em que se optou pelo tratamento com distalização dentoalveolar maxilomandibular em um único estágio, por meio de MIs inseridos em crista infrazigomática e no “shelf” mandibular. Conclusão: o protocolo da distalização dentoalveolar maxilomandibular com o uso de ancoragem esquelética extra-alveolar é uma alternativa interessante para o tratamento da biprotrusão moderada em pacientes com Classe I de Angle.

Almeida MR. Biomecânica de distalização dentoalveolar com mini-implantes extra-alveolares em paciente Classe I com biprotrusão Rev Clín Ortod Dental Press. 2017 Dez-2018 Jan;16(6):61-76. DOI: https://doi.org/10.14436/1676-6849.16.6.061-076.art