Braquetes autoligáveis: moda passageira ou novo paradigma? Parte 2

Por Administrador

Edição V14N01 | Ano 2015 | Editorial Editorial | Páginas 5 até 6

Weber Ursi

O ser humano adulto costuma relutar em fazer mudanças, desde as mais corriqueiras às mais complexas. Preferimos ficar em nossa zona de conforto e, dia após dia, repetimos nossa rotina, seja na vida pessoal ou no trabalho. Muitos se acomodam e, ao longo dos anos, caem em uma lassidão profissional: não se atualizam, não frequentam congressos, não assinam revistas. Tudo isso os condena à obsolescência, tornando-os amargos com os que os abandonaram (colegas e pacientes). Com a rotina, não entremeada por fatos e conquistas significativas, nossa vida pessoal e profissional parece se acelerar — um ano se emenda ao outro e, quando nos damos conta, passaram-se anos, décadas, uma vida inteira.

Ursi W. Braquetes autoligáveis: moda passageira ou novo paradigma? Parte 2. Rev Clín Ortod Dental Press. 2015 fev-mar;14(1):5-6.