Eiciência do tratamento da Classe II subdivisão com braquetes autoligáveis

Por Administrador

Edição V12N05 | Ano 2013 | Editorial Caso Clínico | Páginas 40 até 47

Juliana Costenaro Sato, Célio Borba Machado Coelho Junior, Lilia Duarte Aguiar, Karina Maria Salvatore de Freitas, Fabricio Pinelli Valarelli, Rodrigo Hermont Cançado

O objetivo desse trabalho é apresentar o tratamento de uma má oclusão de Classe II subdivisão com a utilização de braquetes autoligáveis, apontando a eficiência e a otimização do tratamento ortodôntico com esse sistema. Foram utilizados braquetes autoligáveis Speed (Strite), prescrição Roth, slot de 0,022″ e fios preconizados pelo fabricante. A paciente adulta apresentava discrepância anteroposterior de ½ Classe II, divisão 1, subdivisão direita, com desvio das linhas médias dentárias superior e inferior e diastemas entre incisivos e caninos inferiores. Após quatorze meses de tratamento ortodôntico, observou-se a correção dos problemas oclusais descritos inicialmente. As alterações ocorridas com o tratamento foram puramente de natureza dentária: inclinação dos incisivos inferiores para vestibular, inclinação dos molares superiores para distal e dos molares inferiores para mesial, fechamento dos diastemas e correção dos desvios das linhas médias dentárias. Em relação ao curto tempo de tratamento, entende-se que, por apresentar menor atrito durante a mecânica ortodôntica, o sistema autoligável empregado possa ter influenciado na eficiência e no sucesso do tratamento. Concluiu-se que o tratamento foi eficientemente realizado, evidenciado pelo curto período de tempo com que todos os problemas oclusais iniciais foram resolvidos.