Avaliação da resistência adesiva após colagem ortodôntica com resina e sistema hidrofílicos com ou sem contaminação

Por Administrador

Edição V12N01 | Ano 2013 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 110 até 115

Julliane Salgado Ribeiro, Giovana Simião Ferreira, Odilon Guariza Filho, Sérgio Aparecido Ignácio, Jucienne Salgado Ribeiro, Elisa Souza Camargo

A contaminação salivar deve ser evitada para obter-se adequada adesão dos braquetes no esmalte. Entretanto, a colagem de braquetes e acessórios em dentes impactados, superfícies dentárias linguais, segundos molares e dentes parcialmente irrompidos torna mais difícil o procedimento de colagem sem contaminação. Dessa forma, materiais têm sido desenvolvidos com a intenção de obter-se boa resistência adesiva dos braquetes frente à contaminação por água e/ou saliva. O objetivo desse trabalho foi avaliar, in vitro, a resistência adesiva ao cisalhamento após a colagem de braquetes metálicos com a resina Transbond Color Change® (TCC) e sistema adesivo Transbond Plus Self-Etching Primer® (TPSEP) na presença ou ausência de contaminação por saliva. Foram utilizados 100 incisivos inferiores bovinos, divididos em 4 grupos (Grupo 1: TPSEP + Transbond XT e ausência de contaminação; Grupo 2: TPSEP + Transbond XT e presença de contaminação; Grupo 3: TPSEP + TCC e ausência de contaminação; Grupo 4: TPSEP + TCC e presença de contaminação). Os corpos de prova foram submetidos ao teste de cisalhamento na máquina de ensaio universal DL 500 (EMIC). Os valores obtidos foram analisados estatisticamente através do método de ANOVA a dois critérios, modelo fatorial completo, e evidenciaram que a presença de contaminação por saliva diminuiu a resistência adesiva nos dois grupos estudados (p < 0,05). Conclui-se que a resistência adesiva ao cisalhamento diminui na presença de contaminação por saliva ao se utilizar um sistema adesivo e resina hidrofílicos.