Tratamento precoce da má oclusão de Classe III com máscara de protração maxilar associada a elástico intrabucal

Por Administrador

Edição V11N03 | Ano 2012 | Editorial Caso Clínico | Páginas 90 até 97

Silvia Amélia Scudeler Vedovello, Heloísa Valdrighi, Fernando Rayes Manhães, Mário Vedovello Filho, Milton Santamaria Junior

O presente trabalho tem o objetivo de relatar o tratamento precoce da má oclusão de Classe III por meio da protração maxilar associada a elástico intrabucal. O paciente encontrava-se no primeiro período transitório da dentição mista e apresentava trespasse horizontal negativo e trespasse vertical acentuado, caracterizando uma mordida cruzada anterior profunda, diastemas entre os incisivos superiores decíduos e apinhamento entre os incisivos inferiores permanentes, bem como a face classificada como Padrão III. O planejamento foi apresentado em duas fases: a primeira, de correção ortopédica na dentição mista com a protração maxilar; a segunda, de correção ortodôntica na dentadura permanente, além de um acompanhamento até o final de crescimento. Foram adaptados ao aparelho expansor, ganchos laterais soldados por vestibular na região dos caninos decíduos, para receber os elásticos de protração e duas molas digitais por palatino dos incisivos superiores, para auxiliar no descruzamento anterior. Para obter-se um aumento da dimensão vertical, o recobrimento oclusal do aparelho de McNamara foi construído de forma a desocluir totalmente os dentes anteriores e proporcionar a correção da mordida cruzada anterior. Após o tratamento, foi possível observar que a relação oclusal estabeleceu-se em Classe I e a face apresentou-se mais equilibrada. Houve uma melhorar da relação anteroposterior das bases ósseas, evidenciado pela harmonia no terço médio da face, determinado pela projeção zigomática, demonstrando que o tratamento mostrou-se efetivo.