Posição condilar em crianças com mordida cruzada posterior unilateral, antes e após a expansão rápida da maxila

Por Administrador

Edição V11N03 | Ano 2012 | Editorial Artigo Inédito | Páginas 46 até 52

Edson Illipronti Filho, Solange Mongelli de Fantini, João Batista de Paiva

Mudanças na relação côndilo-fossa, quando da posição de MIH para a RC, são ocorrências encontradas nas mordidas cruzadas posteriores unilaterais em crianças antes do tratamento da má oclusão instalada. A correção da má oclusão foi efetuada com o aparelho de recobrimento oclusal de acrílico, associado ao parafuso Hyrax. Os deslocamentos foram medidos nos três planos do espaço por meio do indicador da posição condilar, antes e após a expansão rápida da maxila com o referido aparelho. De acordo com os resultados, existe uma diferença estatística significante entre o sentido horizontal direito e esquerdo no tempo pré-expansão, sendo que a média do sentido horizontal no lado esquerdo é significativamente maior do que no sentido horizontal no lado direito. Nos três planos do espaço (X, Y e Z), os valores demonstram que existe diferença significativa entre os tempos pré-expansão e pós-expansão, tanto para o lado esquerdo quanto para o lado direito. Em toda amostra nos lados direito e esquerdo, a média do tempo pré é significativamente maior do que a do tempo pós. Foi observado, também, que não existe uma correlação entre o lado cruzado e não cruzado; não foi encontrado diferença entre sexos com relação ao lado da mordida cruzada, pois, ambos sexos têm maior percentual para o lado direito da mordida cruzada. Posições condilares específicas não foram evidenciadas na amostra, porém, foi verificada uma grande dispersão dos valores obtidos nos posicionamentos nos três planos do espaço.