Tratamento da Classe II subdivisão em paciente com crescimento: relato de caso — parte I

Por Administrador

Edição V11N02 | Ano 2012 | Editorial Caso Clínico | Páginas 118 até 127

Henrique Oliveira Feitosa, Gustavo Tirado Rodrigues

A Classe II subdivisão de Angle é um tipo de má oclusão frequente na prática clínica. Para que sejam atendidos os anseios estéticos e funcionais, a obtenção das relações em “Classe I”, bilateralmente, entre os caninos e a coincidência da linha média com o plano sagital mediano, devem ser objetivos primordiais durante o planejamento. Nesses casos, pode-se aceitar a manutenção da relação de Classe II em molares de um dos lados. A Classe II subdivisão pode ser corrigida de diferentes formas e a sua resolução pode envolver, se de natureza esquelética, tratamento ortocirúrgico ou abordagem do crescimento; se dentária, exodontias de um, três ou quatro pré-molares. Sendo assim, serão relatados, em duas partes, três casos clínicos que apresentavam má oclusão de Classe II subdivisão, dentre outras, e que foram tratados sob três diferentes protocolos. O caso clínico da parte I refere-se a paciente em crescimento, com desvio esquelético inferior com boa relação da maxila com o crânio do paciente (SNA=77º e ângulo nasolabial obtuso), em que não se julgou apropriada a correção por distalização assimétrica na arcada superior. A correção da relação oclusal de Classe II e da assimetria inferior foi promovida por avanço mandibular assimétrico com aparelho Bionator base de Balters, seguida de fase corretiva para finalização estética e funcional. Todos os objetivos estéticos e funcionais foram alcançados com grande estabilidade, sendo verificados mesmo após 2 anos de contenção.