Tratamento ortodôntico de paciente com síndrome de Turner

Por Administrador

Edição V11N01 | Ano 2012 | Editorial Artigo | Páginas 40 até 48

Eveline Coutinho Baldoto gava, Cátia Cardoso Abdo Quintão, Lívia Saladini Vieira Pessica, José Augusto Mendes Miguel, Marco Antonio de Oliveira Almeida

Este relato de caso descreve o tratamento de um paciente do sexo feminino, com 10 anos e 6 meses de idade, que apresentava síndrome de Turner do tipo mosaico e queixa principal de protrusão dos incisivos superiores. Ela apresentava má oclusão dentária e esquelética de Classe II, sobressaliência de 9mm e sobremordida de 6mm. A erupção dos dentes permanentes estava adiantada, apresentava, ainda, apinhamento moderado na região anterior da mandíbula, diastemas anteriores na arcada superior e uma inclinação vestibular acentuada dos incisivos superiores. O plano de tratamento consistiu no controle de crescimento vertical e anteroposterior com ancoragem extrabucal, alinhamento e nivelamento das arcadas, retração dos incisivos superiores e o estabelecimento de uma oclusão estável. Uma vez que meninas portadoras de síndrome de Turner têm o crescimento atrasado ou reduzido, com ausência de surto de crescimento, e o crescimento é imprevisível, durante o tratamento ortodôntico uma terapia com hormônios foi iniciada e isso, provavelmente, ajudou na terapia de controle de crescimento, uma vez que houve uma redução de 4º do ângulo ANB e uma relação dentária de Classe I foi atingida em 4 meses. Isso demonstra que a terapia com hormônios em pacientes com síndrome de Turner é de grande valor quando empregada durante a infância e adolescência. O tratamento proveu um sorriso agradável para a paciente e uma oclusão bem estabelecida, com corretas sobressaliência e sobremordida, uma oclusão de Classe I e um alinhamento dentário satisfatório.