Abordagem terapêutica da mordida cruzada anterior: aparelhos removíveis

Por Administrador

Edição V10N06 | Ano 2011 | Editorial Artigo | Páginas 48 até 58

Renato Rodrigues de Almeida, Marcio Rodrigues de Almeida, Guilherme Amaral Bouças de Campos, Paula Vanessa Pedron Oltramari-Navarro, Ana Claudia de Castro Ferreira Conti, Ricardo de Lima Navarro

Introdução: dentre as más oclusões que acometem a região anterior, a mordida cruzada de um ou mais incisivos destaca-se devido ao seu marcante comprometimento estético e funcional. Estudos epidemiológicos apontam uma prevalência de 7 a 8% em crianças em fase de dentadura mista, sendo os fatores etiológicos relacionados à ocorrência de trauma na dentadura decídua e consequente desvio do germe dentário permanente, retenção prolongada de dentes decíduos, presença de dentes supranumerários, entre outros. Por se tratar de uma má oclusão que não se autocorrige, deve ser diagnosticada e tratada precocemente, com o fim precípuo de se evitar um possível comprometimento esquelético. Objetivos: considerando-se o grande número de possibilidades terapêuticas para a correção da mordida cruzada anterior, este trabalho objetiva abordar um protocolo de tratamento com aparelhos removíveis. Métodos: por meio de casos clínicos, será abordada essa mecânica, de aplicação simples e efetiva para pacientes colaboradores, contribuindo para o crescimento e desenvolvimento normal da maxila, e permitindo a obtenção de uma oclusão funcional normal. Conclusão: conclui-se que o diagnóstico precoce é importante, assim como a interceptação ortodôntica dessa má oclusão.