Considerações mecânicas para tratamentos ortodônticos compensatórios de más oclusões de Classes II e III

Por Administrador

Edição V10N05 | Ano 2011 | Editorial Tópico Especial | Páginas 22 até 37

Guilherme de Araújo Almeida, Weber Ursi

Os tratamentos ortodônticos compensatórios para pequenas e moderadas discrepâncias maxilomandibulares, nas más oclusões de Classes II e III, são uma realidade. Como consequência, inúmeras prescrições têm sido propostas como forma de conduzir o posicionamento dentário até esse fim, alterando angulações e/ou inclinações de determinados braquetes. Entretanto, devido à variabilidade de arranjos interoclusais exigidos pelos diferentes graus de severidade dessas más oclusões, tais prescrições podem encontrar-se além ou aquém dos níveis de compensação necessários para a sua correção. O objetivo desse artigo é discutir os aspectos anatomomecânicos capazes de potencializar ou restringir a expressão dessas prescrições, conforme a necessidade compensatória imposta pelas relações dentoesqueléticas em questão.