Tratamento da mordida aberta anterior, na fase de dentadura permanente, sem e com extrações, cirurgicamente e com ajuste oclusal e sua estabilidade

Por Administrador

Edição V10N04 | Ano 2011 | Editorial Pergunte a um Expert | Páginas 8 até 17

Guilherme Janson

Já está estabelecido na literatura que a mordida aberta anterior deve ser tratada em uma fase precoce, durante as dentaduras decídua e mista. A partir dos cinco anos de idade cronológica, quanto mais cedo se iniciar o tratamento, mais fácil será a correção e maior será a sua estabilidade1,2. Entretanto, nem todos os pacientes procuram o tratamento ortodôntico nessa fase, seja por desconhecimento do problema ou por outros fatores de ordem pessoal, e somente o fazem em uma época mais tardia, na fase de dentadura permanente. Talvez seja porque essa fase coincide com o início da adolescência, em que o jovem passa a ter uma maior preocupação estética e vaidade, e assim ele busca, então, o tratamento para esse problema. Contudo, o tratamento nessa fase é mais difícil de ser realizado, assim como a estabilidade da correção também não é tão satisfatória quanto aquela da correção precoce3,4,5. Portanto, o objetivo desse artigo é (1) descrever as diferentes abordagens de tratamento ortodôntico; (2) apresentar as características das mordidas abertas passíveis de responder favoravelmente ao tratamento ortodôntico sem e com extrações, cirurgicamente e com ajuste oclusal; e (3) discutir a estabilidade do tratamento realizado nessa fase. Algumas abordagens de tratamento ortodôntico serão ilustradas com a apresentação de casos clínicos. …