Tratamento não cirúrgico da má oclusão de Classe III e mordida aberta esquelética em adultos

Por Administrador

Edição V10N03 | Ano 2011 | Editorial Artigo | Páginas 90 até 98

Milton Meri Benitez Farret, Marcel Marchiori Farret, Alessandro Marchiori Farret

O objetivo deste artigo é discutir fatores relacionados ao diagnóstico e tratamento compensatório da má oclusão de Classe III e mordida aberta esquelética em paciente adulto. Nesse contexto, será apresentado o caso clínico de um paciente portador de face longa, mordida aberta anterior de origem esquelética, mordida cruzada posterior e má oclusão de Classe III. O paciente optou pelo tratamento compensatório, usando aparelho fixo, mentoneira e aparelhos auxiliares. Houve controle da extrusão dos molares superiores e inferiores e leve extrusão dos incisivos. Houve rotação anti-horária da mandíbula e certa melhora no padrão facial. Ao término do tratamento, foi estabelecida relação de molares e de caninos em Classe I e a mordida aberta foi corrigida. Objetivando a estabilidade do tratamento, o paciente foi encaminhado para tratamento fonoaudiológico e utilizou duas contenções modificadas superiores. Três anos após o término do tratamento, observou-se a preservação dos resultados obtidos.