Além da ciência

Por Administrador

Edição V09N02 | Ano 2010 | Editorial Editorial | Páginas 5 até 5

Omar Gabriel

Desde a Mona Lisa, o retrato mais cultuado do mundo, até o frenesi das ordinárias máquinas digitais dos telefones celulares, passando pela irreverência do aclamado artista americano Andy Warhol — com suas coloridas e divertidas serigrafias do retrato de Marilyn Monroe, na segunda metade do século XX —, o olhar humano reverencia a beleza. A essa altura da humanidade, na era digital e com a explosão da internet, ninguém mais subestima a força de uma fotografia ao compreender e sugerir uma riqueza de implicações. Sucede que acima da marcha real do progresso, ao capturar o caráter histórico da experiência humana, o encantamento da fotografia está na sua implicação psicossocial — o culto à beleza. Um deleite absoluto. Um flash pode ter a energia de um raio de sol. Ninguém quer se refletir na fotografia com uma estampa imperfeita. Diante dessa expectativa estética, o sorriso passa a ser uma celebração à vida. Nesse contexto, a Ortodontia, como ofício plural que é, acompanha a obsessão humana pelo belo.