Fenestrações ósseas em pacientes ortodônticos, identificadas por tomografia computadorizada: relatos de casos

Por Administrador

Edição V08N02 | Ano 2009 | Editorial Artigo | Páginas 92 até 99

Paulo Roberto Barroso Picanço, Cáris de Sá Barreto Callou, Renato Castro de Almeida, Gracemia Vasconcelos Picanço, Karina Maria Salvatore de Freitas

Antes da utilização da tomografia computadorizada na Ortodontia, a visualização das fenestrações ósseas ou perdas ósseas só era possível durante as cirurgias periodontais, quando se tinha visão direta do tecido ósseo, ou durante estudos anatômicos em crânios secos. A tomografia computadorizada, como exame complementar na Ortodontia, tornou possível a visualização com precisão das áreas de fenestração e de integridade óssea, antes de iniciar o tratamento ortodôntico. O conhecimento da quantidade de espessura das corticais ósseas, na maxila e mandíbula dos pacientes, é importante no cálculo da quantidade de movimento possível para cada caso. O objetivo deste estudo foi destacar a importância da tomografia computadorizada (TC) na identificação de fenestrações ósseas antes e durante o tratamento ortodôntico, permitindo ao ortodontista esclarecer ao paciente os riscos e limitações que essa condição anatômica impõe ao tratamento ortodôntico. Por meio do relato de três casos clínicos, após revisão prévia da literatura, concluiu-se que: (1) as fenestrações ósseas não guardam relação com a doença periodontal, o trauma ou a doença sistêmica; (2) o diagnóstico definitivo das fenestrações ósseas só pode ser feito por meio da tomografia computadorizada; (3) o tratamento ortodôntico não pode ser apontado como o fator etiológico das fenestrações ósseas; (4) pacientes verticais são mais predispostos à fenestração óssea do que pacientes meso e braquifaciais.