Análise morfológica da simetria do arco dentário superior em crianças portadoras de mordida cruzada posterior unilateral funcional

Por Administrador

Edição V07N06 | Ano 2008 | Editorial Artigo de Divulgação | Páginas 42 até 46

Karina Alencar Silva Tinôco Sereni, Juliana Franco Oliveira, Ângela Rita Pontes Azevedo, Antonio David Corrêa Normando

Objetivo: avaliar a presença de assimetria no arco dentário superior em crianças portadoras de mordida cruzada posterior unilateral funcional. Métodos: foi avaliada a simetria das dimensões do arco dentário superior em modelos de gesso pertencentes a 28 crianças, em estágio de dentadura mista (6 do gênero masculino e 22 do feminino), com média de idade de 8,5 anos. A análise da simetria do arco superior foi realizada, na região dos caninos, medindo-se da cúspide do canino superior à rafe palatina. Na região dos molares, mediu-se a partir da ponta da cúspide mesiovestibular do molar superior à rafe palatina. As medidas dos lados cruzado e normal foram comparadas através do teste t pareado (p < 0,05). Resultados: comparadas às medidas do lado normal (não-cruzado), as do lado cruzado foram suavemente menores, mas com relevância estatística, na região de caninos (média = 0,95mm, p = 0,000) e de molares (média = 0,76mm, p = 0,03). Conclusão: existe uma suave assimetria transversal do arco dentário superior em crianças portadoras de mordida cruzada unilateral funcional. Essa assimetria está relacionada com o lado para o qual ocorre o desvio mandibular.