Cada vez mais ouço falar sobre tomografia computadorizada cone beam. Como funciona esta nova tecnologia, quais os tipos de aparelhos e em quais especialidades ela pode ser aplicada? Parte I

Por Administrador

Edição V07N03 | Ano 2008 | Editorial Pergunte a um Expert | Páginas 17 até 26

Mike Bueno

A descoberta dos raios x ocorreu em 1895. Poucos anos após, a maioria das técnicas radiográficas odontológicas intrabucais e extrabucais já estavam estabelecidas. Nos anos 50, a radiografia panorâmica foi inventada. Mesmo sem a conquista de nitidez adicional, a panorâmica foi um grande avanço para o diagnóstico, devido à sua abrangência, adquirida com doses de radiação relativamente pequenas. Tudo, até então, era baseado em imagens bidimensionais. Nos anos 70, a tomografia computadorizada foi inventada, com a conquista da almejada terceira dimensão com nitidez, mas, devido à falta de especificidade, não “emplacou” na Odontologia. Então, uma lacuna estava aberta, sendo preenchida com o advento da tomografia computadorizada cone beam (TCCB). Este exame pode proporcionar imagens de alta nitidez, nas três dimensões, com baixa dose de radiação, a preço acessível, levando a uma verdadeira revolução na Odontologia. Sua aplicação clínica, com elevada acurácia, se direciona a quase todas as áreas da Odontologia – Ortodontia, Cirurgia, Implantologia, Endodontia, Periodontia, Distúrbio Temporomandibular e, evidentemente, Diagnóstico por Imagens, entre outras.