Comunicação com os clientes. Comunicação não é o que você diz, é o que o outro entende!

Por Administrador

Edição V07N02 | Ano 2008 | Editorial Marketing | Páginas 50 até 51

Roberto Caproni

Recentemente, recebi um telefonema de uma psicóloga que se dizia apavorada com a situação que vivia. Dizia, aos prantos, que seus filhos queriam sair de casa, que seu marido estava decepcionado com ela. Em frente a este contexto, eu perguntei a ela por que isto estava acontecendo. Ela me disse que a causa de tudo foi um anúncio que fez em um jornal da cidade onde morava. Era uma cidade com mais de 2.000.000 de habitantes. Afinal, o que dizia este anúncio?! “Psicóloga. Atendimento especial a idosos. Telefone 8888 – 8888.” O telefone de sua casa não parou de tocar durante todo o dia. Eu lhe disse: “Que bom! Vejo que o seu anúncio foi um sucesso!”. Ela me respondeu: “Este foi o meu maior fracasso!”. Não entendi! Ela me explicou. Quando o jornal quis saber se ela queria o anúncio em página determinada ou em página indeterminada, ela perguntou a diferença entre uma e outra opção. A pessoa respondeu que a diferença era o preço. Em página indeterminada era a metade do preço. A psicóloga preferiu fazer o anúncio em página indeterminada. Isto gerou um fluxo de telefonemas atípico para a sua casa. Homens telefonavam fazendo propostas sexuais que nada tinham a ver com o seu trabalho.