Prontuário clínico do paciente: Cuidados com a redação

Por Administrador

Edição V06N06 | Ano 2007 | Editorial Ortodontia Forense | Páginas 40 até 41

Beatriz Helena Sottile França

Há bem pouco tempo uma audiência judicial foi suspensa porque ninguém no plenário sabia decifrar um registro contido num prontuário médico. Tratava-se da sigla “beg”, e que somente depois de muitas indagações soube-se que significava, segundo profissionais da área, “bom estado geral”. Isto vem ocorrendo, também, com relação aos prontuários clínicos odontológicos. Por exemplo, as abreviaturas “rest. res.” Qual o significado? Simples, dizem os cirurgiões-dentistas, significa “restauração de resina”. Mas para quem não é da área pode significar qualquer outra coisa, menos restauração de resina. Os registros contidos num prontuário odontológico são de suma importância e para que estes cumpram a sua finalidade, a forma como são redigidos não pode ser negligenciada. Além de compreensíveis para quem os lê, não devem servir para depor contra o próprio profissional.