Análise das alterações na morfologia da articulação temporomandibular induzidas pelo aparelho Herbst

Por Administrador

Edição V06N04 | Ano 2007 | Editorial Artigo | Páginas 64 até 72

Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego, Dirceu Barnabé Raveli, Luiz Gonzaga Gandini Jr, Guilherme Thiesen, Ernani Menezes Marchioro, Carlos Gustavo Silva Braga

O presente estudo tem o objetivo de realizar uma compilação dos principais artigos existentes na literatura, voltados para a investigação das alterações adaptativas na articulação temporomandibular, decorrentes do avanço mandibular com o aparelho Herbst. Para tentar elucidar essas alterações, procurou-se discorrer sobre pesquisas experimentais realizadas em animais, sob diferentes perspectivas metodológicas, como também pesquisas clínicas realizadas em humanos, nas quais foram utilizados diferentes métodos de diagnóstico por imagem. Independente da natureza do estudo, parece evidente que ocorrem alterações remodeladoras nas superfícies articulares, caracterizadas, principalmente, por uma aposição óssea na superfície posterior e superior do côndilo e uma neoformação óssea na fossa articular, localizada na região anterior da espinha pós-glenóide. Esses resultados positivos são acompanhados por uma ausência de alterações adversas no côndilo, disco, fossa ou eminência articular. No entanto, alguma dúvida ainda persiste sobre o real mecanismo responsável pela remodelação do côndilo e fossa articular frente ao avanço mandibular.