Ectopia do canino superior por vestibular: considerações teóricas e relato de caso clínico

Por Administrador

Edição V06N03 | Ano 2007 | Editorial Artigo | Páginas 57 até 65

Luciana Martinez, Marli Maria Schmitt Walker, Maria Helena Ocké Menezes

Embora a incidência de impacção de caninos superiores seja pequena na população em geral, a freqüência desses casos na clínica ortodôntica é significante. Sua abordagem envolve o conhecimento de diversas especialidades da Odontologia, mas por ser o ortodontista quem conduz o tratamento, cabe a ele analisar a melhor alternativa terapêutica, de acordo com as características de cada caso. Via de regra, a primeira opção é posicioná-los corretamente no arco dentário, tendo em vista sua importância estética e funcional e o aumento do índice de previsibilidade do tracionamento ortodôntico, relatado pela literatura. O objetivo do presente artigo é abordar alguns aspectos relacionados à impacção dos caninos superiores e expor, por meio de um caso clínico, o potencial de alinhamento de caninos impactados por vestibular. Porém, antes da opção pelo tracionamento, o prognóstico desta conduta deve ser definido, assim como seus riscos potenciais. No caso apresentado, observou-se o escurecimento do elemento 11, que sofreu desvitalização. A ectopia dos caninos deve ser uma preocupação para o odontólogo, traduzida em condutas preventivas e posturas práticas no dia-a-dia da clínica.