Protração maxilar associada à disjunção maxilar ortopédica

Por Administrador

Edição V06N03 | Ano 2007 | Editorial Artigo | Páginas 48 até 56

Luis Roberto Lima Rodrigues, Fauze Ramez Baddredine, Mario Cappellette Jr, , Ney Macedo França

Como meta obter um apanhado dos diferentes modos de se realizar o tratamento da má oclusão de Classe III de Angle decorrente da deficiência de crescimento ântero-posterior maxilar, acompanhada ou não de excesso de crescimento mandibular, relatados por diversos autores que se utilizaram da terapia da protração maxilar associada à disjunção maxilar ortopédica. Verificou-se ser esta terapia eficiente e estável, apresentando pouca chance de recidiva, quando utilizada em fases precoces do crescimento e desenvolvimento do paciente, tais como: nos períodos da dentadura decídua, dentadura mista precoce e dentadura mista tardia. Este estudo procura ainda balizar os valores médios sugeridos de quantidade de ativações realizadas na disjunção maxilar ortopédica, o tipo de disjuntor maxilar mais utilizado, a melhor maneira de se associar este com o uso da máscara de protração maxilar, qual a máscara de protração maxilar mais recomendada, bem como também a força e o tempo de uso mais comumente utilizados.