Alterações dimensionais no arco superior decorrentes da Expansão Rápida Maxilar Assistida Cirurgicamente

Por Administrador

Edição V05N01 | Ano 2006 | Editorial Artigo | Páginas 58 até 63

Maria Perpétua Mota Freitas, Eduardo Martinelli S, de Lima, Susana Maria Deon Rizzatto, Roberto Carvalho C, Massulo, Luciane Macedo de Menezes

Propôs-se nesse estudo avaliar as alterações dimensionais no arco maxilar decorrentes da expansão rápida de maxila assistida cirurgicamente (ERMAC). A amostra foi composta por treze pacientes do Curso de Mestrado em Ortodontia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, com idade entre 15 e 40 anos, portadores de deficiência maxilar transversa e submetidos à ERMAC utilizando aparelho expansor de Hyrax. Foram avaliados os modelos ortodônticos superiores, em vista oclusal, nas fases inicial e seis meses pós-expansão, utilizando as seguintes medidas lineares: distância intercaninos, distância intermolares, perímetro e comprimento do arco. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente por meio do teste t Student para amostras pareadas e Coeficiente de Correlação de Pearson, ambos ao nível de significância de 5%. Os resultados mostraram um aumento estatisticamente significante (p maior que 0,001) nas distâncias intermolares e intercaninos, com média de 5,76mm e 8,01mm, respectivamente. Uma elevação nas médias também foi observada em relação ao perímetro e comprimento do arco, não sendo, entretanto, significativa para esse último (p=0,063). Houve correlação positiva entre as variáveis distância intercaninos e perímetro do arco, bem como do perímetro com o comprimento do arco. Concluiu-se que o procedimento de ERMAC determinou uma efetiva expansão do arco maxilar tanto na região anterior, quanto posterior, sendo mais expressiva na região de molares. Além disso, o aumento no perímetro e comprimento denotam um ganho clínico dimensional satisfatório no arco maxilar, justificando a recomendação para pacientes portadores de deficiência maxilar transversa.