Espaço nasofaringeano. Avaliação pela telerradiografia

Por Administrador

Edição V04N06 | Ano 2005 | Editorial Artigo | Páginas 56 até 62

Cristiane Celli Matheus dos Santos-Pinto, Paulo Roberto dos Santos-Pinto, Edvaldo Luiz Ramalli, Ary dos Santos-Pinto, Dirceu Barnabé Raveli

A amídala faringeana, comumente conhecida como adenóide é uma estrutura de tecido linfóide, localizada na parede posterior da nasofaringe. A adenóide faz parte do anel linfático de Waldeyer que circunda a região posterior da cavidade bucal e nasal, representando a primeira linha de defesa do organismo durante os primeiros anos de vida até que outras estruturas, como o baço, o timo e a medula óssea, ligadas à formação e manutenção do sistema imunológico, se desenvolvam. Em seu desenvolvimento normal, a amídala faringeana exibe um aumento em massa do nascimento à puberdade e, após este período, sofre um processo de atrofia, provavelmente devido à ação dos hormônios sexuais. Dependendo do volume que adquire durante seu desenvolvimento a adenóide provoca diferentes graus de obstrução da via respiratória nasal superior podendo nos casos mais graves interferir no processo normal de crescimento e desenvolvimento dentofacial da criança. O objetivo deste trabalho é apresentar um método fácil e objetivo para a avaliação do espaço respiratório nasofaringeano, por meio da telerradiografia cefalométrica em norma lateral, de acordo com os vários graus de hipertrofia da amídala faringeana ou adenóide.