Na ausência congênita de incisivos laterais superiores: fechar ou recuperar o espaço?

Por Administrador

Edição V02N01 | Ano 2003 | Editorial Artigo | Páginas 27 até 35

Orlando Tanaka, Tatiana Banzatto Kreia, José Vinícius Bolognese Maciel, Elisa Souza Camargo

A maioria dos ortodontistas já tratou ou tratará em sua rotina ortodôntica, pelo menos um paciente com agenesia de um ou ambos os incisivos laterais superiores, ou com alguma discrepância de tamanho dentário. Em busca dos objetivos ortodônticos de estética dental e facial, função e saúde do sistema estomatognático e estabilidade dos resultados atingidos, todos os elementos de diagnóstico devem ser clara e minuciosamente analisados e ponderados para a elaboração de um planejamento ortodôntico individualizado. É impossível atingir esses objetivos se o profissional eliminar ou omitir o diagnóstico diferencial científico que pode levar ou não à extração de dentes ou mal administrar a agenesia de um incisivo lateral superior aliada à falta de habilidade artística no manuseio de seu instrumento de trabalho. O artigo está ilustrado com dois casos clínicos finalizados apresentando agenesia de incisivos laterais superiores, contribuindo para a compreensão no diagnóstico, planejamento e tratamento de casos semelhantes.